Conto Premiado

"45 Minutos"
- TERCEIRO LUGAR, CATEGORIA CONTO - CONCURSO DELICATTA III - Leia o texto.

Novidades

Acabo de fazer uma reforma no layout do blog. Agora os frequentadores poderão deixar recados no Mural de Recados, ou enviar mensagens privadas para meu e-mail diretamente do site. Tudo isso na barra lateral. Espero que gostem!

***

Vidro e Plástico



A noite se estende rasteira
Alegórica em sua carruagem cintilante
Camuflada entre máscaras e reclames
Travestida de pureza feminina

(Sorrateira )

A noite se estende rasteira
Desintegrando-se entre olhares atentos
Duas estrelas refletem filosofias
Outras tantas apenas o alento

A música não para, o microfone não cala
Não dorme no ponto, não perde a vaga
No compasso pés famintos sapateiam
A noite se estende, até esbarra

(Corpos vestidos de nudez)

A mesa de plástico balanceia
De um lado para o outro no salão
Um homem de seios gagueja
Silêncio do saguão

(O néctar do povo, a inteligência ameaçada)

A noite se estende rasteira
A estrada longa é convidaditiva
As luzes criam ilusões
Irrealidades são vendidas em garrafas metalizadas

No lar a segurança e dois cérebros a pensar
Na revolta a decisão objetiva
O sol ainda dá espaço a lua
O travesseiro grita em desespero

(pedido aceito, dizem os cabelos)

A noite se estende
Rasteira
Sorrateira
Silenciosa.

Alexandre Cesar Martins – 30 de março de 2009

Sincronia

Dois passos largos
Largos estão a desejar
Desejar a morte numa tarde
Tarde eterna e primeira

Corre dos vultos
Vultos negros e indecisos
Indecisos em plena discórdia
Discórdia entre sombra e luz

E num instante longo a vitoria
Vitória única de uma toda vida.
Vida e morte em sincronia
Sincronia de passos na areia.

Alexandre C. Martins - Tempos antigos.

Picadeiro


Quando foi que as flores deixaram te encantar?
Nem mesmo por um instante o relógio parou
Restaram mágoas controversas a encenar
O espetáculo das palavras nunca ditas ou retomadas

Um ator vestido de palhaço deixou borrar a maquiagem
Sobrou então a velha careta de todos os dias
Face sorridente em contraste com a evidente malandragem

O picadeiro caiu e deixou seu rastro
O entorno incinerado por chamas ávidas
Levou consigo o verdejante canteiro de rosas

Quando foi que as flores deixaram te encantar?
Nem mesmo por um instante o relógio parou
Restaram mágoas controversas a encenar
O espetáculo de tuas mentiras ao luar.

Alexandre C. Martins - 17 de março de 2009