Conto Premiado

"45 Minutos"
- TERCEIRO LUGAR, CATEGORIA CONTO - CONCURSO DELICATTA III - Leia o texto.

Novidades

Acabo de fazer uma reforma no layout do blog. Agora os frequentadores poderão deixar recados no Mural de Recados, ou enviar mensagens privadas para meu e-mail diretamente do site. Tudo isso na barra lateral. Espero que gostem!

***

Mistério Noturno


O homem acorda assustado. A roupa encharcada de suor deixa claro o mal estar. O relógio marca três da madrugada e o silêncio é absoluto. Senta-se na beirada da cama, olhar pesado, leva as mãos ao rosto e logo levanta. A janela está aberta, nem uma leve brisa entra no quarto, apenas a luz de um poste ilumina o recinto.

Do quarto para cozinha. Marcelo enche o copo com água, virando-o em seguida num só gole. Senta-se e deixa-se apoiar pela mesa de mármore. A pedra gelada não o agrada, mas a vontade de ir até o quarto novamente é fraca perto do sono momentâneo. Dorme.

Papéis sobre a mesa do escritório, computador ligado e em ação, gravata afrouxada, camisa com botões abertos. O ventilador de teto gira vagarosamente para não espalhar a papelada, mas o calor não consegue sanar. E ali está Marcelo, em pleno horário de almoço. A hora passa voando enquanto o cansaço toma conta do homem. O telefone toca como que para atrapalhar. A voz feminina quebra a aflição. Conversam muito e desligam. Hora de voltar aos afazeres.

Acorda. Trabalhar durante o sonho não lhe agrada nem um pouco, o suor escorre-lhe pelo corpo – “Calor infernal”. Acha melhor tomar um banho e se desfazer da agoniante sensação de realidade causada por um sonho ruim.

A água quente proporciona a Marcelo o primeiro alívio da noite. Não precisa de caprichos, apenas deixa a água escorrer por seu corpo. Por minutos ali permanece até se dar conta de que já é hora de sair. Sem roupas segue para o quarto, não quer se vestir, apenas jogar-se na cama e descansar, mas não dormir, chega de sonhos por hora. No entanto, dorme.

Cama. Marcelo deitado ao lado de uma bela mulher, ambos dormem, sem roupa qualquer e abraçados. Um celular toca, o casal se movimenta, mas não atendem, nem mesmo acordam. Insistente o aparelho volta a gritar – Ela atende.

Depois de poucas palavras ao telefone a mulher veste-se, agitada. Procura desesperadamente cada peça de roupa, as quais estão espalhadas pelo quarto. Marcelo acorda. Não dá ela explicações e voa quarto a fora. Marcelo ouve gritos no corredor e estrondo de um corpo ao chão. Sem cerimônias um homem entra no quarto e inicia uma briga se inicia.

Malditos sonhos - pensa o homem. Tudo totalmente sem sentido. Devaneios de uma mente cansada e perturbada. Não quer mais levantar, não quer ir a cozinha nem tomar banho, apenas dormir e não sonhar. Enfrentar a noite de olhos fechados e satisfeitos. Mente paralisada e subconsciente silenciado. Ouve barulhos no andar inferior.

Veste-se e corre para baixo – Nada. Ouve passos, mas não vê ninguém. Gargalhadas e falatório, movimentação invisível. Tenta abrir a porta da casa, mas não consegue, está emperrada. As janelas também em mesma situação, e as gargalhadas continuam.

Como que sugado por uma força irresistível, Marcelo se vê novamente brigando com o homem desconhecido. Socos e chutes ao som dos gritos da mulher desesperada. O estranho saca uma arma. Os olhares dos homens se encontram, o mundo cala-se para Marcelo enquanto o segundo parece se tornar horas. Em pouco tempo a luta termina. Sangue, ainda mais silêncio e o sono tentador, as batidas da morte à porta.

Algumas pessoas sobem as escadas com malas nas mãos, rindo e entretidas com a nova morada. Marcelo senta-se no sofá, não é visto e menos ainda sentido, porém uma dúvida o atormenta - ele é o Marcelo que aparentemente está acordado ou o Marcelo que supostamente está sonhando...

E quando o sonho deixa de ser sonho? E quando a vida já não é mais vida? Sobra apenas a morte. A descoberta desta é fria, dura e cruel e vem enevoada em sonhos, mas é real e se faz real, apenas demora a ser entendida

Alexandre C. Martins - 30 de agosto de 2008

Um comentário:

Maria Júlia Pontes disse...

Seu bog stá com um lay out muito legal Alexandre, os textos também muito interessantes.
Voltarei com calma para fazer boas leituras por aqui.
Gostei muito!